Sangue e Pudins - Eternas Ondas

Sangue e Pudins - Eternas Ondas

Não quero saber quem sou
Morro de medo
Nem quero saber pra onde vou
É muito cedo

Talvez se eu arrancasse
De minha língua o sinal
Talvez se eu inventasse
O juízo final

Talvez se eu prometesse
Sangue e pudins
Ou se eu costurasse
A roupa dos querubins

Mas o que eu quero é saber
É o que apronta este lado do teu rosto
E o que faz o sossego morar
No que está posto

(Não guardo segredo
Mas sou bem secreto
É que eu mesmo não acho
A chave de mim) Bis

Quanto tempo temos antes de voltarem aquelas ondas
Que vieram como gotas em silêncio tão furioso
Derrubando homens entre outros animais
Devastando a sede desses matagais

Devorando árvores pensamentos seguindo
A linha do que foi escrito pelo mesmo lábio tão furioso

(E se teu amigo vento não te procurar
É porque multidões ele foi arrastar) Bis
Zé Ramalho - Brasil Nordeste
Versão do álbum:
COMENTÁRIOS